PT | EN

Conheci o João há 5 anos e tenho de ser honesto, o João é daquelas pessoas que é difícil não gostar: Talentoso, simpático e bonito, é também conhecedor dos melhores sítios do Porto para comer francesinhas. A juntar a isso é o co-fundador de uma das agências mais sexy's que conheço, a Jump Willy.

A Jump Willy é uma agência portuguesa premiada internacionalmente que desenvolve trabalho de pós-produção na área da animação (3D e efeitos visuais) e composição musical para publicidade, cinema, TV e Videojogos e tem como clientes a Alibaba, BMW e H&M.
Começou no Porto em 2007, na incubadora da Católica, mas em 2013 o João mudou-se de armas e bagagens para Hong-Kong (o departamento técnico continua no Porto).

Animação produzida para o Grupo Alibaba (a maior empresa de e-commerce do mundo)

Olá João, a tua vida é tão fantástica como parece? (O João passa a vida a viajar e está neste momento em viagem pelos EUA)

Bom, é como tudo, tem os seus altos e baixos. Como demorei algum tempo a responder, já não estou nos EUA, já regressei a Hong-Kong, onde vivo, mas preparo-me para sair para Singapura para uma reunião.

Seres dono da tua própria empresa traz consigo muitos momentos difíceis. É uma vida muito intensa porque nunca desligas do trabalho - nem mesmo quando estás bem longe e de férias. Mas tem sido muito recompensador para mim e o balanço é extremamente positivo. Tenho muita sorte por ter uma mulher fantástica que me dá um grande apoio e que é, para mim, essencial.

Ter um grande co-fundador também é essencial para ter prazer no trabalho. Uma empresa é um espaço de decisão constante, algumas fáceis, outras muito stressantes e ter colegas que estão em sintonia, que partilham dos mesmos ideais de trabalho e de valores e que consistentemente se respeitam é o segredo.

A principal razão para ter visto tantas empresas fechar à minha volta durante estes 9 anos teve a ver com problemas entre sócios. E, por mais estranho que pareça, esses problemas tendem a aumentar quando as empresas estão no seu melhor período.

Projeto de animação 3D desenvolvido para promover Honk-Kong

Projeto de animação 3D desenvolvido para promover Hong-Kong

Sim, sei do que falas. Mas diz-me, que tal foi a mudança para Hong-Kong? Podes contar-nos um pouco sobre a tua experiência por aí?  

Numa palavra, fantástico! Depois de 3 anos por lá ainda estou apaixonado por Honk Kong. Não só é um local incrível para se fazer negócios e abrir uma empresa, mas também, e com o tempo, aquilo que comecei a gostar mais é o balanço que se faz entre a vida pessoal e o trabalho.

A cidade vive ao máximo a filosofia “Work hard, play hard!”. É uma cidade empresarial, um dos maiores hubs financeiros do mundo, mas as pessoas ainda sabem como relaxar, em qualquer cidade, e fazem-no todos dias.

Mais, a cidade é conhecida por ser uma selva de cimento mas na verdade dois terços da cidade são parques naturais e praias com quedas de água em sítios remotos onde se pode acampar – e tudo isto a apenas 20 minutos do centro da cidade.

Não sei se ficarei em hong-kong mais um ano ou 20. O que sei é que voltarei para Portugal um dia, mas isso não é uma prioridade neste momento e quero desfrutar cada momento desta experiência Asiática até lá.

Não sei se concordas com a minha visão, mas a Jump Willy trabalha um mercado muito exclusivo e altamente exigente. Para poder sobreviver, ou pelo menos crescer, era quase obrigatório que desse o salto para novos mercados pois Portugal era demasiado pequeno.

Existem algumas agências (e empresas) que atravessam o mesmo dilema. Baseado na tua experiência que conselhos nos podes dar?

Completamente, é mesmo isso. E nós nunca quisemos ser grandes em tamanho. O nosso objetivo (meu e do Pedro Marques, co-fundador e sócio) desde o primeiro dia sempre foi ter um pequeno estúdio, altamente qualificado e independente, onde tudo seria feito manualmente, como um mestre relojoeiro de topo. Sem repetições ou multiplicações. E sabemos que os nossos clientes percebem o valor desta abordagem e que nos distinguem da concorrência. Mas claro, com isto também sabemos que não somos a agência ideal para todos os clientes e por isso tivemos que expandir para novos mercados e durante 9 anos trabalhámos em 4 continentes e para mais de 20 países.

O meu último projeto foi para o Dubai e o próximo será para os EUA, com a NASA. E isto é o que nos apaixona, cada projeto ter um desafio completamente diferente, produtos e clientes diferentes, e pensar de forma profunda em cada um deles.

Concordo em absoluto. Uau, NASA, parabéns! Quais os próximos desafios para a Jump Willy? 

Obrigado! É difícil de dizer, somos um estúdio muito orgânico por isso somos muito rápidos a adaptarmo-nos a uma indústria em constante mudança, mas diria que, para mim, a vertente de animação CGI (computer generated imagery) da empresa, Ásia (principalmente China, Hong Kong e Singapura) são os targets principais. O nosso Mercado continua a ser as animações artísticas CGI para televisão e conteúdos empresariais e a criação de música para filmes.

kinematix tune - animation

kinematix tune - animation

Kinematix - Animação 3D

Ok João, quando vamos comer a tal francesinha?

Bom, adorava dizer-te hoje, mas por muito que tenha saudades (e iríamos direitinhos ao Bufete Fase), terei que me contentar no natal por ter uma comida tradicional portuguesa quando tiver em Macau.

De qualquer das formas ouvi dizer que deves passar pela Ásia antes de eu passar por Portugal por isso devemos ter que mudar essa Francesinha por um fantástico Dim Sum Cantonês, Pho Vietnamita ou Ramen Japonês. Pode mudar a tua vida

(Risos) Parece fantástico João! É para mim um verdadeiro prazer ver um conterrâneo e alguém que respeito muito ter tanto sucesso pelo mundo.

A melhor das sortes para ti e para o Pedro – continuem com o excelente trabalho.

Publicado por: Tiago Castro em Entrevistas, All

Deixe uma resposta